segunda-feira, 9 de abril de 2007

Non ho l'età

Subimos os degraus que desceste naquela manhã para morrer. Foi duro abrirmos a porta e entrarmos na casa vazia sem luz.
Senti outra vez o teu cheiro.
Abrimos todas as janelas para o ar conseguir entrar. Ouvimos as tuas músicas. Tu estás presente através delas e contigo conhecemos tantas que aprendemos a ouvir desde pequenas.
Não conseguimos dormir.
Só senti paz quando fui ao pé de ti e ouvi o silêncio das palavras que te queria dizer.
Senti paz quando fomos até à Serra da Boa Viagem onde tantas vezes nos levaste, brincámos e corremos.
No dia seguinte, queria que passasse depressa para voltar. Já não conseguia estar na tua casa, vazia sem ti e queria fugir.
Antes de sair li muitos cartões de Aniversário e do dia do Pai que te escrevi e encontrei uma foto bonita de uma menina de 3 anos a agarrar a mão do Pai no jardim botânico de Coimbra.
Saí e trouxe-a comigo.

2 comentários:

izzi disse...

Gosto muito de ti, maninha... Sempre, sobretudo às vezes :)

rui moutinho disse...

tão bonito Susana. tantas imagens. tudo o que é bom terá mesmo de ser inadiável. Um beijo. rui