segunda-feira, 15 de novembro de 2010

RIP Sr. Simões

Hoje ao fim da tarde encontrei a D.Olinda no hall do prédio. Acho que já sinto algum receio de a encontrar.
Disse-me:
- Olá menina. O Sr. Simões já foi…
- Olá D. Olinda. Não percebi.
- Disse que o Sr. Simões já foi.
- Foi onde?
- Menina, morreu. Não sabia?
-
- Já vi que não sabia. Foi já há quinze dias.
- Não sabia. Ninguém me disse. O Sr. Simões…
- Pois foi. Estão todos a morrer neste prédio. Temos de mandar benzer o prédio. E a próxima sou eu menina. Sou a mais velha.

O Sr. Simões vivia no segundo andar direito. Foi farmacêutico e já estava reformado há vários anos. Vivia sozinho. Parece que tinha uma filha advogada por quem ele sentia muito orgulho. Mas ela raramente vinha vê-lo. Ele saía todas as manhãs e tardes e dava os seus passeios ou juntava-se com dois ou três amigos no parque atrás do prédio e suponho que conversavam sobre as suas vidas e os seus passados.
Encontrava-o com frequência à porta do prédio. Estendia-nos sempre a mão e cumprimentava-nos.
Fazia uma festa no cabelo do João.
- Olá João.
- Olá.
- João, dá um passou bem ao Sr. Simões.
E a mão envelhecida apertava a mão pequenina.
Outras vezes encontrava-o de pijama e chinelos a deitar o lixo no contentor .
Já sabia que ele estava muito doente. Estava muito magro e o seu rosto estava mais triste.
Mas quase todas as manhãs, depois de tomar o pequeno-almoço e o café, enquanto fumava o meu primeiro cigarro à janela, às oito da manhã, via cair uma grande quantidade de pão ralado do segundo andar.
O Sr. Simões alimentava os pombos do bairro. E eu nem gosto de pombos mas vou sentir saudades de ver o pão a cair todas as manhãs.
Obrigada Sr. Simões, por todos os passou bens!

4 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.